Violência doméstica por Cidinha Pascoaloto

417

 

(por Cidinha Pascoaloto)

violência doméstica   pode ser praticada por qualquer membro da família. Existem várias formas de violência que podem acontecer no espaço familiar. Geralmente essas práticas são feitas principalmente pelos maridos, namorados, ex-namorados ou companheiros. Homens também sofrem violência doméstica. Mas existe o silêncio tanto da vítima como da sociedade em relação a violência contra homens.

Existem vários tipos de violência doméstica: Como violência física, sexual e psicológica entre outras. Todas causam danos emocionais.

A violência física causa danos e lesões na pele.

A violência sexual acontece quando a pessoa detém o poder e obriga a outra a ter relações sem autorização

Violência psicológica diminui a autoestima e o desenvolvimento da pessoa por causa das humilhações, ameaças, chantagem, privações de liberdade e de contato com outras pessoas. Violência psicológica é uma forma mais frequente e afeta a saúde mental da pessoa.

Como começa a violência psicológica? Começa bem leve e vai aumentando com o passar do tempo e a vítima não percebe. Ela começa com restrição da liberdade como por exemplo: Pedir para que ela troque de roupa, não use maquiagem, não deixa visitar familiares e nem sair com amigas. Com o passar do tempo a violência se intensifica com agressões verbais em casa e em público.

Muitas vezes a mulher inventa desculpas para ela e para os outros a respeito do comportamento do parceiro. Assim a vítima vai aceitando a violência e as ofensas e faz tudo que ele impõe. Já é o suficiente para a vítima ter danos emocionais e desenvolver insegurança para tomar decisões.

Para conseguir lidar com essa realidade, a mulher precisa renunciar a seus sentimentos, suas vontades e perde o amor-próprio.

Consequentemente a mulher vem a desenvolver transtornos como: Fobias, ansiedade, baixa autoestima, sentimento de insegurança, incapacidade e depressão.

A violência psicológica é um problema de saúde pública.

Cidinha Pascoaloto-Psicóloga-CRP 06/158174

Artigo anteriorEntrevista da vez -Foco Pessoal com Roseli Machado dos Santos. Veja na íntegra
Próximo artigoPor onde anda Sílvia Brigo