Dracena, Segunda - 24 de Junho de 2019
Um em cada cinco brasileiros usa o celular enquanto dirige     Publicado em 24/06/2019 - 12:57 Por Agência Brasil  Brasília Dados do Ministério da Saúde revelaram que 19,3% da população das capitais brasileiras usam o celular enquanto dirigem. Isso significa que de cada cinco pessoas, uma afirmou que comete esse ato. A informação é do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2018, divulgada hoje (24). O ministério alertou ainda que os acidentes de trânsito são a segunda maior causa de mortes externas no país. A pesquisa também mostrou que as pessoas com idades entre 25 e 34 anos (25%) e com maior escolaridade (26,1%), com 12 anos de estudo ou mais, são as que mais assumem esse comportamento de risco. Os motoristas com nível superior também são os que mais recebem multas por excesso de velocidade e que associam o consumo de bebida alcoólica e direção. O Vigitel é uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde que, desde 2006, monitora diversos fatores de risco e proteção relacionados à saúde, incluindo a temática de trânsito nas capitais dos 26 estados e no Distrito Federal. Nesta edição foram entrevistadas por telefone 52.395 pessoas, maiores de 18 anos, entre fevereiro e dezembro de 2018. Os acidentes de trânsito são a segunda maior causa de mortes externas no país - Fernando Frazão/Agência Brasil As capitais que apresentaram maior percentual de uso de celular por condutores foram Belém (24%), Rio Branco (23,8%) e Cuiabá (23,7%), seguido por Vitória (23,3%), Fortaleza (23,2%), Palmas (22,4%), Macapá e São Luís (22,3%). Por outro lado, as capitais com menor uso de celular durante a condução de veículo foram: Salvador (14,1%), Rio de Janeiro (17,1%), São Paulo (17,2%) e Manaus (17,7%). Além do uso do celular associado à direção, a pesquisa abordou também outros três importantes indicadores para a ocorrência de acidentes de trânsito: consumo abusivo de álcool abusivo, consumo de álcool em qualquer dose e multa por excesso de velocidade. Velocidade O Vigitel 2018 mostra que 11,4% da população entrevistada afirmou já ter recebido multas de trânsito por excesso de velocidade. O comportamento de risco foi identificado mais em homens (14%) do que em mulheres (7%), na população de 25 a 34 anos (13,4%), e de maior escolaridade (13%). O Distrito Federal é a capital com a maior proporção de casos (15,6%), seguida de Fortaleza (14,5%); Porto Alegre (14,1%); Belo Horizonte (13,7%); e Goiânia (13,6%). Já as capitais com menores índices são Manaus (0,9%); Macapá (2,7%); Belém (5,9%); Campo Grande (6,9%) e Porto Velho (7,1%). Álcool e direção A proporção de adultos que informaram que conduziram veículos motorizados após consumo de qualquer quantidade de bebida alcoólica foi de 5,3%, sendo maior entre homens (9,3%) do que mulheres (2%). A associação entre consumo de álcool e direção ocorreu principalmente em indivíduos de maior escolaridade (8,6%) e com idade entre 25 e 34 anos (7,9%). Dentro desta categoria, as capitais com maior proporção são: Palmas (14,2%); Teresina (12,4%); Florianópolis (12,1%); Cuiabá (9,9%) e Boa Vista (9,3%). Já as com menores prevalências são: Recife (2,2%); Rio de Janeiro (2,9%); Vitória (3,2%); Salvador (3,6%) e Natal (4,2%). Mortes no trânsito Os acidentes de trânsito são a segunda maior causa de mortes externas no país. Em 2017, de acordo com o Ministério da Saúde, 35,3 mil pessoas morreram em decorrência de acidentes de trânsito e 166.277 foram internadas. Os gastos com as internações foram de R$ 229,2 milhões. Além das sequelas emocionais, muitos pacientes ficam com lesões físicas, sendo as principais consequências amputações e traumatismo cranioencefálico, segundo a pasta. Em parceria com estados e municípios, o Ministério da Saúde desenvolve, desde 2010, o Programa Vida no Trânsito, uma resposta do governo brasileiro aos desafios da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Década de Ações pela Segurança no Trânsito, cuja meta é reduzir 50% dos óbitos por acidentes de trânsito entre 2011 a 2020. Entre 2010 e 2017, o Brasil reduziu em 17,4% o número de mortes por acidentes de trânsito, passando de 42.844 para 35.374. Nas capitais que mais se engajaram no programa, houve redução superior à 40%, como: Aracajú (55,8%); Porto Velho (52,0%); São Paulo (46,7); Belo Horizonte (44,7); Salvador (42,7%) e Maceió (42,9%).
Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional     Publicado em 24/06/2019 - 07:50 Por Leo Rodrigues - Repórter da Agência Brasil  Rio de Janeiro A ocorrência de mutações no vírus influenza, causador da gripe, é uma possibilidade permanente. Por essa razão, é imprevisível quando ocorrerá uma nova pandemia da doença. A última ocorreu há exatos 10 anos, quando o H1N1, um subtipo do vírus influenza A, se disseminou em escala mundial, provocando o que ficou conhecido na época como a crise da "gripe suína". Diante do risco de novas pandemias, o monitoramento é fundamental para identificar com eficácia e rapidez as variações virais que circulam nos países, sobretudo no inverno, quando a transmissão se intensifica.Conforme explica a virologista Marilda Siqueira, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por meio do sequenciamento genético é feito o acompanhamento da evolução do vírus. O compartilhamento desses dados científicos permite a adoção de respostas rápidas para combater a circulação do vírus, como captar os primeiros casos precocemente e disponibilizar um atendimento eficiente. Foi esse acompanhamento que possibilitou também o rápido desenvolvimento da vacina no caso do H1N1, ajudando as populações mundiais a criarem resistência ao vírus que se alastrou a partir de junho de 2009. O imunizante ficou disponível em setembro, três meses após o início das transmissões.Uma nova pandemia não deve ocorrer com o H1N1. Atualmente, no Brasil, apesar de ainda ocorrerem óbitos, eles estão dentro de um padrão esperado. No país, é alta a probabilidade de se ter contato no inverno com dois subtipos do vírus influenza A contra os quais as populações estão mais resistentes. Um deles é exatamente o H1N1 e o outro é o H3N2. A questão é que o vírus influenza tem um genoma segmentado, característica que, segundo Marilda, facilita as mutações."Se você troca um ou mais segmentos gênicos inteiros, vira outra coisa. E podemos ter novo vírus para o qual não temos anticorpo e nem vacinas eficazes. Em alguns lugares da Ásia, as pessoas estão atualmente contraindo de animais o H7N9, e a taxa de letalidade está em torno de 70%. Não foi observado contágio de homem para homem, então não há transmissão sustentada. Mas é uma preocupação enorme e o mundo inteiro está de olho para entender o que está acontecendo com esse vírus", diz a virologista.A partir do momento em que um vírus mutante se mostra transmissível de homem para homem, pode haver rápida disseminação entre uma população sem imunidade. Ao atingir grande número de indivíduos, torna-se uma epidemia enquanto estiver restrita a uma certa localidade. A pandemia se configura quando a epidemia se espalha por uma grande região geográfica, como um continente ou até mesmo o planeta. Monitoramento Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, que será realizada entre os dias 23 de abril a 1º de junho em todo país, no Centro de Saúde Pinheiros, região oeste. - Rovena Rosa/Agência Brasil O acompanhamento internacional é feito por meio do Sistema Global de Vigilância e Resposta à Influenza da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reúne diversas instituições. O Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo da Fiocruz, chefiado por Marilda, é uma delas. O monitoramento também é importante para enfrentar as epidemias sazonais, que ocorrem sempre no inverno com mais ou menos intensidade conforme uma série de fatores. De acordo com Marilda, há quatro tipos de vírus influenza, sendo o A e o B os principais responsáveis pela gripe, o C e o D sem impacto relevante conhecido. O A é o que mais preocupa, por ser altamente mutável. O monitoramento das variações é uma das etapa da produção da vacina.A produção da vacina da gripe sofre alterações constantemente. A OMS realiza reuniões em setembro para discutir o cenário do Hemisfério Sul do planeta e, em fevereiro, para o Hemisfério Norte. Nesses encontros, são analisados os resultados dos monitoramentos feitos pelas instituições que integram o sistema de vigilância. A próxima vacina deverá imunizar contra as principais variações virais que foram identificadas circulando no inverno que precede a reunião. "É sempre uma corrida contra o tempo, pois é curto o prazo para que a vacina esteja disponível antes do próximo inverno", diz Marilda.No Brasil, o Instituto Butantan, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, é o responsável por produzir as vacinas segundo as diretrizes fixadas na reunião da OMS. O Ministério da Saúde recomenda o imunizante para idosos, crianças até 5 anos, mulheres que deram à luz recentemente, pessoas com doenças crônicas, detentos, funcionários do sistema prisional, indígenas, trabalhadores da saúde e professores. A vacina é ofertada gratuitamente para estes grupos nos postos do Sistema Único de Saúde (SUS). A última campanha teve início em 10 de abril. Desde o dia 3 de junho, as doses remanescentes estão disponíveis para toda a população. Riscos Segundo estudo dos centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, entre 151 mil e 575 mil pessoas morreram devido à infecção pelo vírus H1N1. Os primeiros casos ocorreram no México. A principal hipótese dos cientistas é de que o novo vírus surgiu a partir de um rearranjo do genoma de outros dois vírus que infectaram porcos de forma simultânea."Normalmente essa troca de segmento gênico ocorre em alguma outra espécie animal. É comum ocorrer em porcos, porque muitas vezes eles recebem o vírus de humanos e podem receber também influenza aviária. Há países como a China, o Vietnã e o Camboja, por exemplo, que são caldeirões de produção de novos vírus influenza porque têm grandes mercados onde há porcos e aves convivendo juntos e próximos aos humanos. São ambientes que favorecem uma possível troca de segmentos do genoma", explica Marilda.As variações do vírus da gripe em circulação se propagam por secreções respiratórias que são liberadas em espirros e tosses. Para evitar a disseminação da doença, Marilda recomenda que pessoas com sintomas não frequentem lugares fechados. Ela também orienta medidas variadas como manter os ambientes arejados, abrir janelas de tempos em tempos e não levar as mãos à boca e ao nariz ao espirrar. É preferível dobrar o cotovelo, espirrar na articulação. Lavar as mãos também é muito importante."O vírus pode ficar presente e vivo nas superfícies, que pode ser um corrimão de uma escada, uma mesa, um braço de um sofá, uma maçaneta de porta. Ele permanece infeccioso por duas a quatro horas, dependendo das condições do ambiente. Imagine que você está em um shopping e ao descer uma escada rolante coloca a mão em uma parte do corrimão onde outra pessoa acabou de espirrar. E nós colocamos a mão no rosto constantemente. Então é preciso lavar as mãos com frequência". Maior pandemia A maior pandemia de gripe de que se tem notícia ocorreu em 1918 e ficou conhecida como "gripe espanhola". O número de vítimas foi muito superior ao ocorrido em 2009. Segundo a OMS, entre 20 e 40 milhões de mortes ocorreram em todo o mundo. A Europa foi o continente mais afetado. A virologista da Fiocruz acredita que dificilmente viveremos uma situação semelhante. "O risco não é totalmente descartado. Mas nessa magnitude é bem difícil. As condições socioeconômicas daquela época e também as condições médicas eram muito piores do que temos hoje em dia", avalia Marilda.Segundo ela, uma dificuldade na época foi a inexistência de antibióticos, que só foram criados na década de 1930. "Na pandemia, uma boa parcela das mortes não ocorre de pneumonia viral, mas de uma pneumonia bacteriana secundária que se aproveita da fragilidade do organismo. E, naquela época, não havia antibióticos para combater essas bactérias. Além disso, a Europa enfrentou essa situação saindo da Primeira Guerra Mundial com a produção de alimentos afetada, os serviços de saúde fragilizados", diz.A mutação que levou à "gripe espanhola" não surgiu na Espanha e sim nos Estados Unidos. A gripe se espalhou por soldados norte-americanos infectados que foram combater na Primeira Guerra Mundial. "Como os países estavam em combate, não se percebeu que muitas mortes estavam ocorrendo em decorrência de outra coisa. Foi só quando esse vírus chegou na Espanha, que não participou da guerra, que ficou claro que algo estranho estava ocorrendo. Ao notar um número incomum de mortes por doença respiratória, os espanhóis deram o alerta".  Edição: Graça Adjuto
Iphan quer forró como patrimônio imaterial     Publicado em 24/06/2019 - 07:00 Por Gilberto Costa – Repórter da Agência Brasil  Brasília O forró pode ser declarado como patrimônio imaterial do Brasil até meados de 2020. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) iniciou pesquisa nos nove estados do Nordeste, mais o Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo para identificar a forma de expressão que além de gêneros musicais diz respeito a festas e interações sociais ao som da sanfona, zabumba e do triângulo. A iniciativa foi bem acolhida entre os músicos como o maestro Marcos Farias, filho da cantora Marinês (1935-2007) e afilhado de Luiz Gonzaga (1912-1989), o Rei do Baião. Segundo ele, muitos grupos e artistas que se denominam “de forró” fazem adaptações de cumbia e zouk (de países hispânicos sul-americanos e caribenhos). “Tiraram o nosso nome. A gente foi usurpado do título e jogado para essas músicas de características latinas”, reclama. Conforme Farias, o que ocorre é “apropriação indevida”, e esses grupos fazem “oxente music”, brinca. De acordo com Hermano Queiroz, diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan, o trabalho de registro do forró permitirá “mapear as vulnerabilidades, os riscos, a necessidade de promoção do bem”. Ele, no entanto, assinala que “o objetivo do registro não é dar autenticidade a uma narrativa”, e ressalta que há várias narrativas em circulação: “o patrimônio cultural é dinâmico”, explica. Segundo Queiroz, não é preocupação central saber exatamente em que lugar teria surgido o forró. “A raiz não é o grande problema. O que o registro traz é o potencial de diálogo intercultural entre diversas manifestações”, crê. Ele assinala que a pesquisa do Iphan vai “mapear todos olhares e narrativas sobre esse bem imaterial’ e permitir que músicos de diferentes lugares se conheçam e passem a “ter a compreensão de que embora espraiados em todo o território cultural são irmãos”. A apresentadora Priscila Rangel mostra no programa Em Dança, da TV Brasil, as variações na forma de dançar o forró:      For all ou forrobodó Desde a origem do nome, há mais de uma narrativa sobre a palavra forró. Conforme o maestro Marcos Farias, o compositor e instrumentista Sivuca (1930-2006) defendia a tese de que a palavra tem como origem a expressão em inglês de “for all”. O termo teria sido forjado ainda no século 19 por causa da presença de trabalhadores ingleses na instalação de ferrovias e de fábricas de tecelagem no Nordeste. “Se produzia mais algodão em Campina Grande que em Liverpool”, costumava explicar Sivuca, segundo o maestro. A versão da origem anglófila da palavra forró foi atualizada no século 20. Há quem diga que o termo teria surgido na 2ª Guerra Mundial em Natal. A capital do Rio Grande Norte recebeu 10 mil soldados norte-americanos a época do conflito. Essa versão é ilustrada no filme For All - O Trampolim da Vitória (1997), de Buza Ferraz e Luiz Carlos Lacerda. O etnomusicólogo Carlos Sandroni, professor do Departamento de Música da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e responsável pela pesquisa do Iphan, descarta essa versão. Segundo ele, desde o século 19 há uso da palavra forró “para designar uma festa popular com dança, com música e com bebida”. Festa Junina, Quadrilha - Marcello Casal Jr./Agência Brasil O especialista também lembra que “edição de dicionário de 1912 tem a palavra forrobodó. Na edição do ano seguinte, já tem forrobodó e forró. Ao que tudo indica forró é uma abreviação de forrobodó”. Conforme o filólogo Evanildo Bechara, forrobodó é originado da palavra galega forbodó. Além da filologia, geografia e história da música descartariam a formação da palavra forró a partir da expressão inglesa for all. Sandroni tem como hipótese que o forró nasce longe do litoral de Natal. As matrizes originais estariam no interior do Nordeste, em uma área hoje tida como o sertão de Pernambuco, Paraíba e Ceará. Rei do Baião e o balaio de gêneros Sandroni também defende que “o forró se tornou uma expressão do povo do Nordeste, de uma maneira de se identificar como nordestino, que se afirma por suas características, por seu valor, por sua identidade”. “Aos poucos a palavra forró vai se deslocando para designar não só um gênero [de música e festividade] especificamente, mas um guarda-chuva para vários gêneros como o xote, o xaxado, o arrasta-pé, a quadrilha, e o próprio forró”, descreve. Luiz Gonzaga, o rei do Baião - Capa CD / Divulgação No “balaio de gêneros do forró”, apontado por Sandroni, tem destaque o baião criado por Luiz Gonzaga. O especialista lembra do papel fundamental Gonzagão a partir dos anos 1940 no rádio para a afirmação da cultura nordestina “O baião é uma empreitada consciente do Luiz Gonzaga com os seus parceiros, Humberto Teixeira [1915-197], José Dantas [1921-1962] e outros nessa etapa inicial”. O maestro Marcos Farias concorda com o etnomusicólogo quanto à centralidade de Gonzagão. “Ele veio trazendo as nossas músicas, o baião, o forró que não existiam. Foi ele que denominou. Ele adaptou e nacionalizou o que hoje é nosso de verdade. Foi a grande voz a alma do povo nordestino. Ele trouxe as nossas alegrias, as nossas frustrações. Trouxe as nossas comidas, trejeitos, trouxe o nosso jeito alegre de levar a vida e fazer as coisas acontecerem”. Assista o documentário do programa Caminhos da Reportagem da TV Brasil sobre Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.     Farias conta que até a disposição dos músicos nos palcos de forró é ideia de Gonzagão. “Os baixos da sanfona são graves, então os agudos do triângulo têm que ficar do lado. Ao lado da mão direita, que faz o solo e que é agudo, tem que ficar a zabumba que é grave e, assim, contrabalancear. Ele era minucioso com isso”, detalha. Conforme Sandroni, os três instrumentos têm origem europeia. “Isso quer dizer que é uma música europeia? Claro que não. A música é muito mais que os instrumentos, é o que se faz com os instrumentos”, pondera. Segundo ele, “Sanfona é um instrumento evidentemente europeu”. O mesmo pode dizer da zabumba ainda que o senso comum identifique como um tambor africano. “O tipo de construção e de amarração você encontra inclusive na península ibérica”, assinala. O mesmo ocorre com o triângulo, “conhecido como ferrinho em Portugal”. Antes do Forró, outras formas de expressão musical obtiveram o reconhecimento do Iphan como patrimônio imaterial e constam no Livro do Registro das Formas de Expressão como o caboclinho, a capoeira, o carimbo, o cavalo marinho, o frevo, o jongo, o marabaixo, o maracatu, o samba de partido alto, o samba de terreiro, o samba enredo, o samba de roda, o tambor de criola e os toques dos sinos de igrejas em centros históricos de Minas Gerais.
Filho de Luciano Huck sofre acidente e passa bem depois de ser operado     Publicado em 23/06/2019 - 13:33 e atualizado em 23/06/2019 - 17:45 Por Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil  Rio de Janeiro Um dos filhos dos apresentadores Luciano Huck e Angélica sofreu um acidente quando praticava wakeboard na Baía da Ilha Grande, em Angra dos Reis, na Costa Verde, na tarde de ontem (22). Benício, de 11 anos, está internado no Hospital Copa Star, na zona sul do Rio, após chegar de helicóptero acompanhado da família. De acordo com o próprio Luciano Huck o filho foi operado e passa bem. Em uma rede social, o apresentador disse que “para evitar as informações desencontradas que já circulam, nosso filho, Benicio, sofreu um acidente praticando wakeboard na tarde de ontem na baia da Ilha Grande (RJ). O casal tem mais dois filhos. Segundo Huck, Benício está sendo assistido pelo médico João Pantoja, em conjunto com a equipe do neurocirurgião Gabriel Mufaref, e a pediatra Andrea Paiva, que acompanha Benício há anos. Agradecemos as inúmeras preces e manifestações de carinho. O comunicado é assinado por Angelica & Luciano. O Hospital Copa Star divulgou, no fim da tarde de hoje (23), o primeiro boletim médico sobre o estado de saúde de Benício Huck, de 11 anos, submetido à neurocirurgia, vítima de traumatismo cranioencefálico com afundamento têmporo parietal direito associado a hematoma extradural subjacente ao afundamento.  A nota do Hospital Copa Star informa que a cirurgia transcorreu sem intercorrências. "O paciente encontra-se lúcido, orientado, movimentando os quatro membros, respirando por meios próprios  e estável sob o ponto de vista neurológico e hemodinâmico, sem previsão de alta hospitalar, no momento.  Marinha Em nota, o Comando do 1º Distrito Naval informou que a Delegacia da Capitania dos Portos de Angra dos Reis tomou conhecimento da ocorrência de acidente de lancha envolvendo a família do apresentador, nas proximidades da Ilha Grande. De acordo com o comunicado, uma equipe de busca e salvamento foi imediatamente enviada até a área onde a lancha estaria e informada pelo comandante da embarcação que Benício se desequilibrou e bateu com a cabeça na prancha de wakeboard. “Por tratar-se de pancada na cabeça, os seus responsáveis optaram pela condução ao hospital para realizar os procedimentos médicos para esse tipo de acidente”, destacou a nota. A Marinha informou ainda que não houve acidente com a embarcação. Esporte aquático O wakeboard é um esporte aquático praticado com uma prancha puxada por uma lancha. Essa prática é muito popular no mundo todo, inclusive no Brasil. Matéria modificada às 17h40 para acréscimo de informação
Ex-prefeito e filho morrem após furarem bloqueio e dispararem tiros contra policiais militares O ex-prefeito da cidade paulista de Platina, Benedito Carlos Clausen, de 72 anos, foi morto a tiros durante uma perseguição pela Polícia Militar em Assis, também no interior de São Paulo. O filho dele, Gilberto Jean Lopes Clausen, de 47 anos, também morreu na ocorrência. Durante o cerco, Benedito teria acelerado seu carro e atingido uma viatura da PM, que capotou. Três policiais ficaram feridos. Os agentes alegam que os dois ocupantes do veículo atiraram contra eles. Os PM apresentaram à Polícia Civil duas armas apreendidas com os suspeitos. A Polícia Civil e a Corregedoria da Polícia Militar vão apurar a ação policial. De acordo com a Polícia Civil, o carro em que o ex-prefeito estava com o filho foi abordado durante um bloqueio na rodovia municipal Manoel Fernandes, entre Assis e Lutécia, mas o motorista acelerou e teve início uma perseguição. Quando os policiais alcançaram o automóvel em fuga, o condutor jogou o carro contra a viatura, que acabou capotando, segundo a corporação. Um policial foi atingido pelo carro ao sair da viatura e teve fratura no braço. O veículo dos suspeitos caiu em uma valeta e eles fugiram para um canavial. Conforme os policiais militares, os homens atiraram e, no revide, foram baleados. Pai e filho morreram no local. Nenhum policial foi atingido pelos disparos. A equipe da PM apresentou à Polícia Civil de Assis uma pistola 765 e uma espingarda calibre 12 que estavam em poder dos suspeitos. Além do policial atropelado, outros dois PMs tiveram ferimentos na cabeça durante o acidente com a viatura. Eles foram atendidos em hospitais de Assis e liberados. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a ação. A PM informou que o caso também é alvo de apuração pela sua corregedoria.
Clique aqui.Gente Dinâmica; o casamento de Tayane Carvalho e Rodrigo Caio,do Flamengo BOM DIA,GENTE Vale ressaltar o trabalho  do grupo de  amigas que organizou o Jantar da Esperança em prol do Hospital Regional do Câncer. Talento, trabalho, vontade,organização  e  sucesso.   CASAMENTO Foi numa chácara  em Dracena que o jogador do Flamengo, Rodrigo Caio e a dentista, Tayane Carvalho celebraram com jantar  o seu casamento que aconteceu no civil no dia 30 de maio.Presenças dos familiares. Rodrigo Caio hoje é destaque no Campeonato Brasileiro no time carioca.   TRIBUNAL CAIPIRA Pensa numa festança preparada com todo esmero. Assim o Tribunal Caipira do curso de Direito da Faculdade Reges. Que aconteceu na quarta-feira, 19 na chácara do Ruella.   ENLACE Os noivos Carlos Prada Filho e Laisa Pessoa Botton resolveram usar a mesma pasta de dentes e o mesmo teto.Eles se casam hoje na igreja de São Francisco.com  presenças dos familiares e amigos.   NA CIDADE Edu Dracena pintou no pedaço para rever amigos e familiares. O Palmeiras  está cada vez  melhor e agora acaba de conseguir definitivamente os pontos do jogo contra o Botafogo.   SHOW Antonio Carlos e Amigos  mandaram bem em show programado também para a quarta-feira dias 19, no ginásio da Fundec. O cantor  lançou Cd. Maravilha!   SOLIDARIEDADE A Polícia Civil fez a doação de 100 cobertores novos na área de atuação da Delegacia Seccional de Polícia,na Campanha do Agasalho. Belo gesto.   SUSTO Que  susto passou o cantor Bellut  que faz dupla  com Marcos. Durante show em Ourinhos foi atingido de raspão na cabeça por um artefato usado no próprio show. Felizmente foi só um susto.   EXULTANTES Os familiares dos novos advogados apresentados  durante palestra  na Casa da Advocacia e Cidadania , não esconderam sua alegria e emoção. Bem legal.   PARA REFLEXÃO O Senhor é minha luz e minha salvação. Salmo 26.1  
Jovem de19 anos morre após bater moto em caminhão estacionado   Por  Portal Regional  - 21 de junho de 2019 0 Um jovem de 19 anos de idade, morador de Adamantina, morreu na madrugada desta sexta-feira (21), após bater sua moto na traseira de um caminhão estacionado nas proximidades do Vinagre Saboroso em Lucélia. A Polícia Militar de Lucélia foi acionada para atender uma ocorrência de perturbação de sossego na Avenida Marginal Amadeu Demisck e ao chegar ao local, os policiais se depararam com o jovem motociclista transitando na contramão de direção. A equipe tentou realizar a abordagem ao motociclista, porém, segundo informações que constam no boletim de ocorrência, o mesmo fugiu em alta velocidade por várias ruas da cidade, inclusive passando pelo sinal vermelho em vários cruzamentos. A viatura policial realizou acompanhamento da motocicleta por todo o trajeto percorrido. Ainda segundo informações da Policia Militar, ao alcançar o cruzamento da Avenida Internacional com a Rua Paschoal Micali, próximo à empresa Vinagre Saboroso, o condutor da moto, Willian Moreira da Silva, 19 anos, perdeu o controle da moto e se chocou violentamente contra a traseira de um caminhão Mercedes Benz que se encontrava regularmente estacionado na via, vindo a cair embaixo do caminhão. Quando a viatura policial se aproximou do local, após o acidente, imediatamente foi acionado a Unidade de Resgate do Corpo de Bombeiros, que prestou atendimento e socorreu o motociclista com ferimentos muito graves, para o Pronto Socorro da Santa Casa de Lucélia, onde o médico de plantão atestou o óbito. Os dados foram encaminhados ao plantão policial para o registro da ocorrência de acidente de trânsito com vítima fatal. O corpo do adamantinense está sendo velado na Sala I do Velório Municipal de Adamantina e seu sepultamento está previsto para ocorrer na tarde de hoje. Folha Regional
Pai é preso acusado de estuprar filha de 4 anos em Valparaíso   Exames comprovaram vermelhidão na região genital da criança. Por: Josiane Lorensette | Guararapes Sorriso News 19 de junho de 2019 | 17h50 atualizado: 17:50 Estiveram presentes na delegacia de Valparaíso o 1º Sargento PM Rocha e Cabo PM Eduardo Dias apresentando J.S.S.. Na oportunidade os policiais disseram que volta das 19h14min desta terça-feira (18), foram acionados via COPOM para atender uma ocorrência envolvendo estupro de vulnerável. Chegando no local dos fatos foram recepcionados por E.S.P.J.  a qual é genitora da criança, relatou que mora na parte de cima de um sobrado situado na Rua Duque de Caxias em Valparaíso e na parte de baixo do sobrado não mora ninguém. Na data dos fatos a mãe informou que estava fazendo um de seus filhos dormir e notou a falta de sua filha. A mãe chamou a criança algumas vezes, porém como ninguém respondeu, ela desceu as escadas e entrou no salão do andar debaixo, quando presenciou J.S.S. sentado, com a cueca baixada, segurando sua filha que estava com o vestido levantado e meio enrolado. Segundo informações os policiais após ouvirem a versão da mãe eles também conversaram com a criança a qual revelou que que seu pai tinha levantado o seu vestido, baixado seu short e colocado o dedo nela, apontando para a parte íntima dela, dizendo inclusive, que doeu bastante. Logo em seguida, o pai da criança chegou à casa do sogro e negou o fato, dizendo que havia tomado somente uma cerveja. Diante dos fatos os policiais passaram com a criança e a mãe ao Pronto Socorro, sendo J.S.S. foi conduzido até a delegacia da cidade. (   De acordo com a ficha de atendimento médico hospitalar, o médico plantonista declarou a existência de vermelhidão na região vaginal da criança. Foi expedido requisição de exame pericial. Compareceu na delegacia membros do conselho tutelar, onde um deles acompanhou o "depoimento especial" da criança. Questionado o indiciado negou os fatos. Diante dos fatos a autoridade policial deliberou em dar voz de prisão e elaborar o Auto de Prisão em Flagrante Delito por estupro de vulnerável.  O indiciado foi encaminhado à cadeia pública de Penápolis onde permanece à disposição da justiça. Sigamais